O Últimos Anos Históricos, Emoções, Frustrações, Mudanças Em Todas Áreas, até Chegarmos à John Hynes

A cada término de temporada, tradicionalmente desde sua estreia na NHL, o Nashville Predators, o seu GM David Poile e os jogadores se reúnem com seus respectivos treinadores e gerentes gerais para discutir os pontos positivos e negativos da temporada anterior, o que trabalhar durante a offseason e o que esperar quando o campo de treinamento começar em setembro. Nosso GM é atuante em todas as áreas da franquia, inclusive interagir com o treinador desde a disposição para cada jogo até as escolhas de draft com os nossos olheiros. Foi assim com Barry Totz nosso primeiro treinador, passando por Peter Laviolette e assim se justifica a escolha de John Hynes. O jovem treinador tem o perfil que Poile traça para conduzir a franquia desde seu primeiro ano. Poile nesses últimos anos decidiu fazer mudanças quanto à forma de trabalho com prospectos e John Hynes é jovem, sabe trabalhar jogadores em desenvolvimento, como tem sido os perfis do nosso novo corpo de treinadores e sabe lidar com jogadores mais experientes.


Vamos entender o que aprendemos, quais experiências adquirimos, as emoções e frustrações que passamos, o crescimento da franquia nos últimos, onde houve mudanças e porque elas aconteceram nos últimos anos até chegarmos a contratação de John Hynes.


A campanha surpreendente que nos levou à disputa da Stanley Cup na temporada 2016/17, criou uma expectativa eufórica de que podemos levar a taça para a cidade da música. O trabalho fantástico e inteligentíssimo de nosso GM nos bastidores e a sensação de que nós podemos alcançar a glória, movimentou todo o Tennessee, fazendo uma loucura com os fãs. O crescimento da nossa torcida e a procura sensacional pela franquia foi incrível, pessoas querendo se aproximar do esporte, crianças se inscrevendo para aprender a patinar e o tudo que envolve o hockey.


As classificações de TV da temporada regular da equipe na Fox Sports Tennessee cresceram 160% ano a ano, de 0,8 para 2,1 no mercado. Além disso, as classificações combinadas da Stanley Cup Playoff TV aumentaram 62% na primeira rodada de 5,5 para 8,9% ao ano, enquanto a segunda rodada cresceu 34%, de 8 para 10,7. Os fluxos de temporada regular na Fox Sports GO subiram 238%.


A Fundação Nashville Predators distribuiu 149 subsídios, totalizando US $ 607.639,32 (a maior doação única na história da Fundação), superando a alta anterior de US $ 515.000 em quase US $ 100.000 para serviços comunitários e organizações de caridade baseadas em Nashville e no Tennessee. A franquia mantém relação ativa com a AMEND, organização que luta contra violência doméstica e à mulher. David Poile em suas palavras disse que quer ser parte juntamente com os Predators de fazer de Nashville a cidade mais segura para mulheres e meninas.


O site nhl.com/Predators estabeleceu recordes de visualizações de páginas mensais e anuais, superando a alta mensal anterior em 142%. Terminamos no Top Five na NHL em visualizações de página, leituras de artigos e exibições de tela na campanha 2017-18. Nós quebramos todos os recordes anteriores de visualizações de páginas, visitas, visualizações de vídeos e downloads de aplicativos definidos nos últimos quatro anos de compromisso digital elevado com nossos fãs. Também foi em 2017 que a ESPN elegeu os Predators como sendo a franquia número um em esportes, incluindo valores, experiência com fãs e acesso online. Tudo isso fez com que David Poile fosse nomeado o GM do ano naquela temporada e um reconhecimento maior da liga com a franquia.


Na reunião após a campanha histórica era de que estávamos no caminho certo e tudo conspirava para nossa conquista e todos em consenso decidiram que nenhuma mudança deveria ser feita, apenas o aprimoramento e assim se fez.


Veio a temporada 2017/18 e tudo isso cresceu ainda mais com uma campanha impecável e um hockey envolvente que nos rendeu o Presidents Trophy e o título da Divisão Central. Poile se tornou o GM com mais vitórias na liga, quando atingiu o número 1320 vitórias na NHL. Todos acreditavam que era o nosso ano e com toda razão para tal. Os jogadores tinham uma química incrível, havia uma confiança sem tamanho, mas vieram os playoffs e uma frustração inexplicável.


Apesar de ter avançado em seis jogos na série contra Avalanche, Nashville sofreu 15 gols ao todo em 6 jogos na primeira rodada, uma média que não sofríamos ha anos, já que tínhamos uma defesa extremamente forte. Definitivamente isso preocupou qualquer torcedor para a série seguinte contra o forte time do Winnipeg Jets. O comportamento da equipe se transformou e o time se fez irreconhecível. A segunda rodada dos playoffs foi ainda mais uma catástrofe defensiva. Foram 22 gols sofridos nos 5 primeiros jogos da série, média superior a 4 gols por jogo. Jogadores experientes caindo em ciladas bobas, como as provocações de Justin Byfuglien durante toda a série que nos rendia penalidades sem explicação, um time sem liderança e mentalidade de uma pós-temporada para NHL.


Esses dois anos históricos para a franquia elevou nossa marca como uma franquia da NHL, mas a frustração diante da campanha nos playoffs 2017/18 fez com que David Poile tomasse decisões consideráveis.


Em dezembro de 2018 David Poile foi introduzido no Hockey Hall of Fame dos Estados Unidos. A celebração da indução foi realizada em Nashville. "Quando você está fazendo o seu trabalho no hóquei, que é o que você ama, e eu não acho que você sempre pense em algum tipo de reconhecimento pelo que está fazendo, mas isso é incrível", disse Poile. "Ser incluído no Hall da Fama do Hockey dos EUA, é algo que eu nunca pensei, e é incrível estar incluído em todos os ícones do USA Hockey."


As reuniões ao fim da temporada ainda assim eram positivas, os jogadores ainda acreditavam no time, que havia uma química muito boa, e houve unanimidade quanto à permanência de Peter Laviolette e do trabalho desenvolvido. Mas Poile percebeu que era hora de pensar mais no futuro e começaram as mudanças na forma de fazer Hockey em Nashville.