Revisitando os Preds, parte 1 - Bastidores, Produtividade e Os Feitos da Equipe.


Equipe venceu seu primeiro Presidents Trophy

Vamos revisitar tudo que aconteceu na temporada 2017/18, dividido em 3 partes, o texto traz de volta os movimentos feitos nos bastidores, o que deu certo, o que deu errado. Veremos os desempenhos positivos e negativos dos jogadores. Foi uma temporada de sucesso ou fracasso? Você poderá tirar suas conclusões aqui mesmo. Nesta primeira parte veremos os movimentos feitos por Poile, a produtividade de alguns jogadores, e as marcas atingidas pela franquia e o desempenho da equipe.


O contrato de $4.250 por 7 anos de Arvy, certamente é o movimento mais acertado nos bastidores.

Na pré-temporada, o GM David Poile fez boas renovações, como a de Viktor Arvidsson, por exemplo, um contrato de 7 anos e $4.250 milhões. Também assinou com o agente livre Nick Bonino por 4 anos e $4.100 milhões, e Scott Hartnell, também agente livre, por 1 ano e um salário de 1 milhão de dólares. Bonino chegaria para atuar na segunda linha, onde esteve no inicio da temporada com os Preds, mas até a chegada de Turris, que assumiu o centro da segunda linha. Bonino foi o pilar da terceira linha, ao lado de Hartnell e Calle Järnkrok, com ótimas exibições e uma temporada bastante regular, principalmente defensivamente. Jogador ganha destaque por sua dedicação defensiva nas três zonas do gelo.


A joia que caiu no colo da franquia do Tennessee

No draft da NHL, os Predators esperavam pelo inesperado, e de forma surpreendente, o único sniper restante após as primeiras escolhas, Eeli Tolvanen, foi apenas a trigésima escolha geral para os Preds. Tolvanen figurava entre os 10 melhores prospectos das melhores listas possíveis para a escolha do último draft, mas surpreendentemente o finlandês, que completou apenas 19 anos no mês de abril, caiu no colo do time do Tennessee. Tanta surpresa não é a toa, pois além de um grande finalizador, Tolvanen é um jogador muito incisivo e decisivo, capaz de criar jogadas e ainda finalizar com precisão. Fatal e com um repertório bem variado, dispara de qualquer lugar do gelo. Ele foi designado para à KHL e foi jogar pelo Jokerit, time da cidade de Helsinki na Finlândia, e lá o garoto fez história ao se tornar o maior pontuador da liga entre os jogadores de 19 anos quebrando o recorde que era de Evgney Kuznetsov.

“Ser draftado tarde me motivou” disse Tolvanen, após ser escolhido pelos Preds. “Mas isso não importa, porquê Nashville é o melhor lugar para se jogar hóquei… a equipe e a torcida são demais”. Tolvanen ainda foi eleito duas vezes o novato do mês e mais seis vezes o novato da semana, além de ser nomeado para o KHL All Star Game, também foi o principal pontuador da seleção da Finlândia durante os Jogos Olímpicos de Inverno que aconteceu em PyeongChang na Coréia do Sul assim como excelente exibição e melhor jogador Finlandês no World Juniors U20 que foi disputado em Buffalo no início do ano. Claro que tudo isso não poderia e não seria inteligente deixar de integrar o grande garoto ao nosso grupo de jogadores, afinal, são características perfeitas para nosso estilo de hockey, velóz e em transição envolvente. Fez alguns jogos ao fim da temporada regular, mas falaremos mais para frente.


Precisando comprovar que não era apenas "efeito cinderela" nos últimos playoffs quando chegamos à nossa primeira Stanley Cup, ainda encontrávamos o melhor time no início da temporada com derrotas nos dois primeiros jogos da temporada para o Boston Bruins e Penguins e duas vitórias seguidas viriam posteriormente e seguiriam com uma certa oscilação, com um overall de 8-5-2 até a impactuante e grande troca que o GM David Poile fez. As perguntas eram frequentes, o time manteria o bom hóquei apresentado na última pós-temporada? Peças como Pontus Aberg (hoje no Edmonton Oilers) e Kevin Fiala manteriam seu rendimento? De certo que Kyle Turris chegaria e o rendimento de Kevin Fiala foi imediatamente outro.

Kyle Turris não precisou de tempo para adaptação.

Uma troca um pouco confusa envolveu três times, para Colorado, foram os prospectos Samuel Girard e Vladislav Kamenev (de Nashville), Shane Bowers, A. Hammond e mais uma escolha de terceira rodada (de Ottawa), enquanto os Predators ficaram Kyle Turris (de Ottawa) e os Senators receberam Matt Duchene (Colorado). Outra manobra de êxito em Nashville, quando logo na sua estreia, Turris jogou muito bem, anotou um gol e foi primeira estrela do jogo. Ele realmente não sentiu diferença e ainda potencializou a segunda linha. Quando Fiala tinha apenas 7 assistências em 14 jogos disputados, assim que Turris chegou, ele passou a produzir bons números e seu companheiro de linha, Craig Smith (que ficou a um ponto de igualar sua melhor temporada, quando fez 52P em 2013/14) também cresceu demais na temporada. Então a segunda linha da equipe adquiriu uma consistência ofensiva e defensiva muito boa. Hoje Fiala é capaz de ganhar jogos para Nashville, e adquiriu independência, capaz de influenciar positivamente o jogo dos companheiros que atuam ao seu lado quando há mudanças na formação.

Tudo isso mostra mais um acerto de Poile, que nessa temporada se tornou o GM com mais vitórias na liga, quando atingiu o número 1320 vitórias na NHL. Realmente essa lenda tem nosso amor, carinho e confiança! Conquistando à todos não só em Nashville, como em todo o Tennessee e também fora dele, afinal, nos encontramos nos Brasil e não tenho dúvida de que assim como eu você tem um carinho muito especial por esta pessoa.


Apenas os mais críticos diriam que a aquisição de Kyle Turris não foi fundamental para o sucesso da linha e até mesmo da equipe. Turris é um excelente playmaker, criador de espaços no gelo, capaz de furar a defesa com um passe vertical, bem como Joey o faz. Há uma única preocupação em relação à Turris, é que ele deve receber aumento para o próximo ano, cerca de $2M a mais, extendendo para um contrato que o levará até aos 34 anos em Nashville. Talvez seja um pouco precipitado, afinal nem todos são Joe Thornton, Patrick Marleau ou os irmãos Sedins. Fato é que deve ser feito com muita cautela para não se tornar um peso no salary cap da franquia. Mas a certeza que temos é que sua chegada à Smashville foi extremamente positiva.


A temporada seguiu e o hóquei da equipe cresceu demais, tendo a defesa com mais pontos combinados da liga e a segunda menos vazada da liga. Todos sabem da força defensiva desse time, e com tudo isso, ainda teve por um longo tempo a ausência de um jogador pragmático na zona ofensiva, o defensor Ryan Ellis, que perdeu os primeiros 38 jogos da equipe devido à uma cirurgia que ele teve que passar após passar a campanha passada inteira jogando com fortes dores no joelho. Ainda assim a defesa terminou com a melhor em pontos na liga, e a segunda menos vazada. Somos sim uma fortaleza defensiva, mesmo que ela tenha desmoronado nos Playoffs, nos sentimos seguro com nossos pares defensivos.


Definitivamente os Predators são uma equipe com dois goleiros fantásticos e talentosos. Juuse Saros, que não foi bem na última temporada, simplesmente cresceu em uma velocidade absurda, evoluiu e hoje é um goleiro onde todos em Nashville confiam. Saros tem melhorado cada vez mais no controle de rebote, que era um pesadelo para o jovem finlandês de 22 anos. Ele é capaz de ganhar jogos para o time, e tem atuações digna de um goalie All-Star, como no jogo contra o San Jose Sharks na vitória por 5 a 3 na Bridgestone Arena. Saros fez uma das melhores partidas, se não a melhor de sua carreira, com defesas de tirar o fôlego. Isso tem tirado o sono de algumas pessoas que já se preocupam com ele quanto à expansão para Seattle. O futuro goleiro da franquia está pronto para NHL, muito mais que isso, seria titular em boa parte dos times da liga sem dúvida. Saros tem 3 shutout na temporada, e quebrou o recorde de shutout saves da franquia no jogo do dia 14 de dezembro, na vitória dos Preds por 4 a 0 sobre os Oilers, obtendo 46 defesas no jogo.


Os Predators são uma franquia de 2 starters.

O titular Pekka Rinne faz uma temporada digna de Vezina, com 42-13-4 em 59 jogos, duas vitórias a menos que Vasilevskiy (44V em 64 jogos) e Connor Hallebuyck (44V em 64 jogos) Segunda melhor porcentagem de defesas com .927% SV, e ainda 8 shutouts (o melhor nesse quesito). Não precisa muitas palavras para descrever este fenomenal goleiro finlandês que ainda chegou a marca de 300 vitórias na NHL no dia 22/02 na vitória por 7-1 contra os Sharks em Nashville e logo ultrapassou outro lendário, o Miikka Kripusoff como goleiro finlandês com mais vitórias na NHL.


Uma surpreendente sequência de 10 vitórias seguidas se toronou recorde da franquia quebrando as 8 vitórias de 2005. Nesta sequência foram 43-20 gols, marcando pelo menos 4 gols ou mais em 8 dos 10 jogos. O surpreendente poder de fogo dos Preds se deve à um jogo coletivo extraordinário, sendo 16 jogadores diferentes anotando esses 43 gols. Roman Josi anota 5 assistências na vitória por 6-5 sobre os Jets (27/02) num jogo que pode estar entre os melhores da temporada sem dúvida e conseguiu empatar o recorde de mais assitências por um só jogador no mesmo jogo pela franquia. Também chegamos à melhor marca quando atigimos 14 jogos seguidos conquistando pontos.

Austin Watson indicado ao Bill Masterton (premiação dada ao jogar que mostra perseverança, espirito esportivo e dedicação ao esporte)

Austin Watson é o enforcer da equipe, e é um absurdo jogando no penalty kill. Ele é responsável por grandes penalidades que os Predators passam sem sofrer gols e também pela equipe ter sido uma das melhores nesse quesito na temporada inteira (incluindo playoffs), com jogadas de sacrifício, esforço e dedicação, como se não bastasse o atleta ainda tem 4 shorthanded goals na temporada. Watson é um cara exemplo de como descrever essa equipe que se dedica e esforça do inicio ao fim, encontrando diversas dificuldades e inúmeras vezes atrás do placar e conseguindo ainda assim superar, nunca desistir e conseguir a vitória. Watson ainda foi indicado como jogador dos Preds ao Bill Masterton, premiação dada ao jogar que mostra perseverança, espirito esportivo e dedicação ao esporte. Assim como Colton Sissons, outro que foi um monstro nos special teams, tanto Power Play Formation quanto Penalty Kill Formation. Sissons é muito dedicado na marcação e outro muito forte fisicamente sendo o terceiro melhor jogador em hits na equipe. Sissons também tem bons momentos na zona ofensiva, mas se destaca também por sua grande dedicação.


Tudo isso somado ao excelente hockey apresentado nos rendeu nosso primeiro título da Divisão Central e também nosso primeiro Presidents Trophy. Tudo isso é fantátisco, mas os playoffs chegaram e foi um desastre atrás do outro, não tendo sido eliminado logo na primeira rodada, por falta de técnica, habilidade e experiência do Colorado Avalanche, que ainda assim nos encomodou e levou a série para 6 jogos e anotou 14 gols. Esses gols mostrou toda a fragilidade e de certa forma, até estranha exibição da nossa defesa na pós temporada. O fiasco foi ainda maior quando vieram os Jets e deixaram um caminhão de gols no nosso time que simplesmente não existiu nos Playoffs. Com isso alguns consideram um fracasso toda nossa temporada, pois afinal de contas, o que conta mesmo é ser campeão da Stanley Cup. Com uma defesa que parecia nunca ter jogado junta, os Preds tiveram pesadelos com o time de Manitoba, logo nos 3 primeiros jogos foram 15 gols sofridos para desespero de Smashville, ao todo foram 27 gols na série de 7 jogos com no mínimo 10 deles, jogadores estando livres na slot aproveitando um passe ou um rebote. Mérito dos Jets que se movimentam muito bem na zona ofensiva e com muita velocidade, nós é que não fomos capazes de nos comportarmos como uma equipe em playoffs.


Foi um desfecho melâncólico devido à tudo que conquistamos na temporada regular, com um hockey bonito e envolvente, segunda melhor campanha como mandante e a melhor como visitante. Claro que a expectativa era grande, claro que nós fãs, tínhamos uma confiança enorme assim como os jogadores. É preciso ser revisto o que aconteceu e estudar tudo detalhadamente para não ocorrer novamente, mas fica como crescimento e aprendizado, você não pode jogar fora tudo que esse grupo conquistou. Primeiro título da Divisão Central e o primeiro Presidents Trophy, os inúmeros recordes da franquia. A consistência que esse grupo adquiriu, o que crescemos como franquia, estou com aqueles que consideram a temporada um sucesso.


Somadas as duas últimas temporadas friamente, se você não exergar que a Stanley Cup está vindo para Nashville, sugiro que você procure um oftalmologista.


Para a próxima parte veremos o que deu certo e o que não deu certo e também continuaremos com analises de produtividade. Até mais.

23 visualizações
  • Twitter ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social

Siga-nos

Torne-se um fã

© 2018 Nashville Predators Brasil