Preds Pelo Mundo - Prospectos Centrais


Patrick Harper tem muita velocidade e habilidade (Getty Images)

#PredsPeloMundo, é hora de falar dos nossos prospectos e hoje vamos ver como foi a temporada dos nossos centrais.


Patrick Harper foi draftado em 2016 na quinta rodada pick 138 e acredito que seja nosso melhor central entre os prospectos (com exceção feita ao Frédérick Gaudreau que já atuou na NHL), obteve bons números com a Universidade de Boston (NCAA) anotando 21P 8G 13A em 20 jogos, média muito parecida com a excepcional temporada de 2016/17 quando registrou 37P 13G 24A em 38 jogos além de chamar muita atenção do Nashville Predators para o Draft. Patrick Harper é um excelente prospecto o problema que ás vezes ele parece apagado em jogos mais complicados. Mas ele consegue unir tiro de qualidade de qualquer lugar do gelo, muita habilidade, excelente visão, uma patinação muito ágil e muita, mas muita velocidade. Isso se deve ao seu tamanho, o jogador tem apenas 1,71m e com todo seu repertório é fácil criar espaços no gelo.


Eu gostei da sua participação no IIHF World Juniors U20 deste ano, embora algumas criticas. Foi medalhista de bronze com o Estados Unidos anotando 2G 2A em 4 jogos, Harper mostrava muita habilidade para se livrar do marcador, embora apagado em alguns momentos.


Patrick Harper teve sua temporada 2017/18 interrompida devido à uma doença não revelada, particularmente é um pouco difícil ler sobre Harper, eu acho que a crítica pega um pouco pesado com o garoto por passar alguns jogos sem pontuar.


Vejo um bom potencial para NHL, o jogador tem só 19 anos e tem tudo pra evoluir com o excelente time da Univ. de Boston ao lado dos nossos defensores Dante Fabbro e David Farrance, e se for como minhas expectativas sobre ele, daqui uns 3 anos quem sabe ele já terá algumas oportunidades, mas confesso que ás vezes eu acho que ele poderia atuar como um ala.


Grant Mismash nomeado para NCHC All-Rookie Team

Grant Mismash foi escolha do draft do ano passado no segundo round pick 61, no momento do draft eu gostei bastante da escolha, mas deve tem que se ter muita cautela quando se trata de Grant Mismash, há mais expectativa sobre ele do que o que realmente ele apresenta. Muitos dizem que ele deveria ter disputado o último IIHF Wolrd Juniors U20, mas o central de 19 anos esteve de fora da lista final e isso parece ter mexido um pouco com os ânimos do garoto que após o término da competição melhorou muito seu desempenho com um média de quase 1 ponto por jogo finalizando sua primeira temporada na NCAA com a Universidade de Dakota com 22P 9G 13A em 38 jogos além de ter sido nomeado para o NCHC All-Rookie Team. Mismash tem boa patinação e um bom jogo físico, faz boa proteção e prefere um jogo mais seguro, embora pareça um pouco displicente, Mismash tem mãos leves para um bom wrist shoot, ele executa muito bem o forecheck. Acho que ele precisa colocar sua cabeça no lugar se quiser estar na liga daqui ha alguns anos, pois é, o garoto tem alguns problemas fora do gelo, um pouco arrogante ele acha que ele realmente é "jogadoraço", mas não é bem por aí, embora mostre grande potencial, mas seu nível real é um pouco superestimado e enquanto ele pensar assim pode atrapalhar bastante sua evolução. Quem sabe com a cabeça no lugar e perceber que ele ainda é só um jovem que tem muito o que aprender ele possa estar na liga.


Rem Pitlick (Foto: Dan Hickling)

Rem Pitlick também foi escolha do draft de 2016, na terceira rodada pick 76, sua temporada absurdamente absurda e foi o motivo da nossa escolha, mais uma que realmente me surpreendeu no momento. Pitlick produziu nada menos que 89P 56G 43A em 56 jogos no ano de sua escolha, e até o hoje é o único jogador a ter anotado 40 gols na USHL desde 2002. O garoto foi então para Universidade Minessota (NCAA) e no colegiado o garoto teve bons números nas duas temporadas 31P 12G 19A em 38 jogos na temporada 2017/18 e 32P 14G 18A em 36 jogos na temporada 2016/17. O jogador mostra muita consistência e regularidade, tem velocidade e perseguição do puck, bom no forecheck, ele também se apresenta bem no jogo defensivo. Pitlick tem 21 anos e continuará com a Universidade de Minessota, mas sem Casey Mittelstadt (Buffalo Sabres) nesta temporada, acredito que não será problema para ele, Pitlick parece um rapaz maduro e inteligente. Quando foi mandado para o colegiado, previa-se quatro temporadas para ele por lá, mas se ele manter-se tão sólido quanto suas últimas temporadas, porquê não assinar com ele na próxima temporada para já ir atuando na AHL?


Pavel Koltygin anotou bons números no fim da temporada

Pavel Koltygin escolha do sexto round pick 176 no draft de 2017, o russo de 19 anos não começou bem a temporada não imaginava que ele fosse alcançar seus números de 2016/17, mas ele me surpreendeu ao se recuperar depois da metade da temporada e terminar com 42P 17G 25A em 64 pelo Drummondville Voultigeurs, apenas 5 pontos a menos que a temporada anterior. De fato que a QMJHL é a liga mais fraca entre as ligas de desenvolvimento no Candada (conta também com a OHL e a WHL), mas Koltygin manteve sua média da temporada passada e ainda marcou mais 7P em 10 jogos nos Playoffs. Talvez ainda haja mais quatro temporada para ele ganhar um contrato, eu acredito que ele pode crescer, e quem sabe seja nesta temporada.


Yakov Trenin longe de ser aquele da QMJHL

Para mim, em particular, é embaraçoso falar sobre Yakov Trenin. Ele é escolha oriunda do draft de 2015 na segunda rodada pick 55, tem 21 anos. No início da temporada tudo se indicava que seu rumo fosse a KHL, e até hoje não entendi direito o que aconteceu, mas ele parecia frustrado com alguma coisa, porém eu me assustei ao ver seu nome no lineup dos Admirals. Diferentemente de 2016/17, nesta última temporada ele atuou apenas na AHL, só que anotou apenas 16P 5G 11A. Eu realmente ficava um pouco nervoso ao assistir os jogos no inicio da temporada enquanto pude acompanhar, eu não entendi o que acontecia com aquele cara do Gatineau Olympiques (QMJHL) que fazia mais de um ponto por jogo nas 3 temporadas por lá. Toda a confusão do início da temporada fazia sentido ao vê-lo no gelo, parecia perdido, perdia qualquer disputa, cometia turnovers, não acertava o gol. Acontece que ele tem todas características para desempenhar muito mais, ser o "team leader" de Milwaukee, tem tamanho, é forte no jogo físico, tem boa visão e boas mãos para marcar, seu nome já foi dito como certo em Nashville na temporada 2015/16, mas com o que vimos em Milwaukee me decepciona e ele me parece de certa forma um tanto quanto "protegido" por David Poile e Scott Nichol.


Anthony Richard registrou 20 pontos a mais que a temporada anterior

Anthony Richard é escolha de quarta rodada pick 100 do Draft de 2015 e após muita decepção na sua primeira temporada na AHL onde anotou 16 pontos em 55 jogos, nesta ele produziu 36P 19G 17A em 75 jogos. Certo que ele oscilou muito entre as linhas dos Ads, mas ele faz boas exibições no gelo. Procurando ser seguro, evitando erros e agindo com bom senso de hockey no gelo, se ele for um pouco mais incisivo, eu vejo que ele poderia chegar à NHL, ainda tem muito à crescer, mas ele pode chegar lá, quem sabe essa possa ser sua temporada na AHL


Thomas Novak continua assistindo seus companheiros (Getty Images)

Thomas Novak continua seu trabalho fantástico de dar assistências, dos seus 67 pontos nas 3 temporadas no colegiado, 53 deles sãos assistências. Novak foi draftado em 2015 na terceira rodada pick 85, você pode dizer que ele teve apenas 3 gols em 34 jogos, mas assistiu seus companheiros 26 vezes. Com excelentes características de playmaker ele tem potencial pra chegar à NHL. Aos 21 anos, ele poderia já estar em Milwaukee quem sabe, mas uma lesão muito grave em seu joelho o fez dar uma pausa na estrada por um tempo em 2016/17. Acredito que este ano sele seja mais produtivo.


Emil Pettersson foi AHL All-Star este ano

Tudo bem, tudo bem, você não me vê falar muito de Emill Pettersson certo? Mas há um motivo para isso, ele não mostrou evolução desde sua escolha no draft de 2013 na sexta rodada pick 155. Vivia de temporadas de oscilações com lampejos de bom playmaker. É claro que eu não espero um Elias Pettersson (seu irmão mais novo que foi quinta escolha geral no draft do ano passado para o Vancouver Canucks), pois não sou louco, porém eu esperava algo mais dele, e enfim ele apareceu. Finalmente Emil Pettersson teve uma temporada de destaque e foi na terra do Tio Sam. Depois de longos anos atuando pelas ligas suecas, esta temporada ele veio para a américa e registrou sua maior temporada na carreira anotando 46P 13G 33A em 72 jogos e liderando Milwaukee em pontos, o que rendeu seu nome entre os jogadores para o AHL All-Star Game deste ano. Fico feliz demais por ele, pois torço por ele, assim como torci bastante por Victor Ejdsell que foi envolvido na troca com Ryan Hartman. Ejdsell chegou e jogou em Chicago, não é o ideal, pois claro que não deu certo e foi para Rockford Icehogs (time afiliado dos Blackhawaks na AHL), mas ele teve sua chance, sua oportunidade. Agora vamos esperar que Emil continue mostrando sua evolução que as chances irão aparecer sem dúvida.


Frédérick Gaudreau continua dominante na AHL

Freddy Gaudreau é um injustiçado na minha opinião e o Nashville Predators ligeiramente me iludiu. Debutante na em meio aos Playoffs de 2016/17 onde ele fez tudo e um pouco mais no gelo, Gaudreau não conseguiu ter muitas chances com um time que tinha uma enorme profundidade como o nosso nesta temporada. Tudo bem, ele esteve em 20 jogos esta temporada, mas foi aquela bagunça no início, ele nunca teve uma sequência, vivia pegando o avião entre Milwaukee no Wisconsin e o Tennessee, chegou uma hora que cheguei a postar em nosso instagram com muita raiva a respeito disso. Poxa, ninguém gosta de ser um iô-Iô e o cara já mostrou aparecer em jogos grandes, além de mostrar muita consistência e ser dominante com os Ads em terminando em terceiro em pontos com 47P 22G 25A em 54 jogos, pois é, mesmo ausente tanto tempo de Milwaukee ele terminou como terceiro pontuador. Então, eis que esta semana me deparo perguntando: Hey, essa temporada poderíamos facilmente trocar Salomäki para AHL e ter em nosso Depth, Freddy Gaudreau, porquê não? O que há com alguns jogadores? Pois assim como Yakov Trenin, Miikka Salomäki me parece um tanto quanto protegido de David Poile e Laviolette. Eu realmente não entendo como um jogador que não apresenta absolutamente nada pode ter tanta chances assim, não tenho nada contra Salomäki, pelo contrário, eu gosto dele, eu acho que ele tem nível NHL, mas é que me irrita saber que ele é um jogador extremamente veloz, e isso nós vemos, mas ele também sabe disparar para o gol, ele tem habilidade com o puck, ele tem potencial para criar jogadas, e unindo isso à sua agilidade, ele poderia ser mais do que um simples cara que se apresenta apenas para o jogo físico e nada mais.


Acredito que Freddy Gaudreau tenha muito mais à oferecer em nosso Depth do quê Salomäki. Gaudreau é um gigante no círculo, vencendo inúmeros faceoffs, Gaudreau tem dons para um bom playmaker, e além de criador de jogadas, Freddy tem bom wrist shot e é capaz de disparar de qualquer lugar. Salomäki foi um peso nos Playoffs, e quando lembro que Freddy estava apenas assistindo àquilo, quando poderia estar lá é revoltante.


(Jogadores sob contrato: Emil Pettersson, Yakov Trenin, Frédérick Gaudreau, Anthony Richard)

39 visualizações
  • Twitter ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social

Siga-nos

Torne-se um fã

© 2018 Nashville Predators Brasil