A Cidade da Música é também a Cidade do Hockey

Atualizado: 12 de Jan de 2019


Sim meus caros, há hockey de verdade em Nasvhille, a mobilização na cidade da música tem sido enorme com o passar dos anos. Vamos destrinchar os números do crescimento e retorno da franquia à liga. Um pouco da história do time e os jogadores que marcaram. O trabalho fantástico e inteligentíssimo de nosso GM David Poile nos bastidores, movimentando e fazendo uma loucura com os fãs. O crescimento da nossa torcida e a procura sensacional. O trabalho comunitário e o nosso maravilhoso lar. Retorno à liga e muito mais.


Em 25/06/1997 Craig Leipold anuncia que Nashville terá uma franquia na NHL. Jack Diller é nomeado o primeiro presidente do Nashville Predators e no dia 9/07/1997 David Poile é anunciado como General Manager dos Preds (permanece até hoje). Definitivamente seu impacto foi imediato quando trouxe ninguém menos que Barry Trotz (técnico atual vencedor da Stanley Cup com o Washington Capitals) para treinar a franquia e desde seu debut com os Preds em 1998 ficou até a temporada 2013/14 quando Peter Laviolette assumia. Já no draft de 1998 escolhemos nada menos que David Legwand o nosso maior astro que lidera a franquia em jogos, gols, assistências e pontos com 956, 210, 356 e 566 respectivamente.


Tivemos uma campanha inaugural de 28-47-7, eram outros tempos e qualquer nova franquia passa por suas dificuldades iniciais, não foi como ocorreu com Vegas Golden Knights que teve inúmeras regalias e um outro grande GM por traz que soube usar muito bem isso para montar um time extremamente competitivo. Foram longos 5 anos até nossa primeira aparição nos Playoffs, apenas na temporada 2003/04 onde terminamos em terceiro na Divisão Central e oitavo na Conferência Oeste em uma campanha 38-29-11-4 com um time que contava com David Legwand, Martin Erat, Kimmo Timonen, Scott Hartnell, Steve Sullivan, Dan Hamhuis e o goleiro Chris Mason (atual comentarista FOX Sports Tennessee nas transmissões). 2004 também foi o ano em que os Predators selecionaram Pekka Rinne no Draft. Depois de registrar a melhor campanha nesta temporada, a seguinte foi ainda melhor e em 2005/06 continuamos a crescente e com um novato que chamava atenção participando de 28 jogos, ninguém menos que Shea Weber. Weber juntava-se à Timonen, Legwand, Peter Forsberg e Paul Kariya, o garotou simplesmente anotou 40P 17G 23A em 2006/07 num time que terminou com a campanha de 51-23-8 o que seria a melhor campanha da franquia até a última temporada. Infelizmente, nos Playoffs nunca conseguimos ir muito longe, mas foi um grande time que viveu 4 anos seguidos indo aos Playoffs e na temporada que se inicia se voltarmos a pós-temporada quebraremos esse recorde. Veja os momentos marcantes deste período:

Somente nas temporadas 2010/11 e 2011/12 conseguimos alcançar às Semi-Finais da Conferência Oeste o time já contava com nomes como Mike Fisher, Patric Hörnqvist, Jordin Tootoo e Pekka Rinne. As duas temporadas seguintes foram difíceis mas, coincidência ou não, após a decisão de Poile dar novos rumos, novas formas de pensar hockey trazendo Peter Laviolette em 2014 foi quando iniciou-se os melhores anos da franquia. A cena do hóquei em Nashville estava se despedindo de nomes como Barry Trotz, David Legwand, Patric Hörnqvist e Nick Spaling, e tendo seu primeiro vislumbre de nomes o dinâminco Peter Laviolette seguidos Filip Scoresberg, James Neal e Calle Järnkrok. Hoje, Laviolette é vice-campeão e Trotz campeão da Stanley Cup, saímos perdendo nessa? Definitivamente não, pois é inegável que desde a chegada de Laviolette o hockey visto no rink da Bridgestone Arena é outro, animador, caras novas com o passar do tempo foram se juntando aos já citados, Viktor Arvidsson e Kevin Fiala, aos poucos nos despedíamos de jogadores como Paul Gaustad e Mike Ribeiro (embora este tenha se apresentado muito bem nos jogos quanto à todo seu transtorno off ice), e um time começava se formar quando trazíamos Ryan Johansen e adicionamos mais equilíbrio e fortalecendo o time quando a ousadia de Poile se esteve presente ao trazer P.K. Subban por Shea Weber numa troca pau-a-pau com Montréal. Nitidamente Weber é muito mais técnico que P.K., mas veja o que houve com o defensor que foi nosso capitão por um longo tempo. Devido à idade alta e problemas físicos, teve sua temporada comprometida enquanto Subban seguia crescendo e se tornando um dos melhores defensores da liga, tanto defendendo e petulante na zona ofensiva, e o principal fator, Subban completou apenas 29 anos no último dia 13 de maio. E a manobra pra lá de intrigante trazendo Kyle Turris numa troca envolvendo três times. Estávamos então com um time extremamente equilibrado, muito mais jovem e com potencial absurdo mais da metade do nosso elenco. Despedíamos de Samuel Girard, futuro Roman Josi? Assim se via e assim se vê em Colorado, o garoto tem potencial para tal, basta ver como ele conduz o puck para transição e hoje é um dos principais defensores do Avalanche. Mas trouxe Kyle Turris, que deu a química perfeita para consistência da nossa segunda linha com Fiala e Craig Smith. Fazendo com que Bonino atuasse pela terceira linha e a profundidade da equipe se tornou alta a ponto de ficar difícil um lugarzinho para Freddy Gaudreau após destruir debutando nos Playoffs da temporada 2016/17. Ainda gostaria de vê-lo no lugar de Miikka Salomäki em nosso Depht, mas Lavi e Poile sabem o que fazem. Como se não bastasse, não são nomes e nem jogadores que transmitem confiança, mas Poile renovou com Yannick Weber, Anthony Bitetto e Matt Irwin, e nada menos U$ 1.6M somados para os três jogadores o que não afeta em absolutamente nada nosso cap, e embora você não sejam excepcionais, são importantes também.


Temos uma pessoa que conduz esta franquia em que temos imensa confiança, o nosso GM Daivd Poile, fez com que os Predators virasse um a febre na cidade da música country e a fez também uma "Cidade do Hockey". Estamos indo para nossa vigésima temporada e Poile conquistou os moradores da cidade que hoje amam a franquia, dando muito retorno à liga. Os Preds tem 109 sell outs consecutivos na Bridgestone Arena e nesta última temporada (2017/18), foram recordes de públicos atrás de recordes com uma lista enorme de espera para cada jogo. Com 21 aninhos, Nashville respira Hockey e fazemos muito barulho, pode apostar


É inegável que após as finais da Stanely Cup na temporada 2016/17 aproximou ainda mais os fãs à franquia, todos, crianças, adultos, adeptos ou não ao hockey, foi uma loucura na Broadway e em toda Nashville e porquê não no Tennesse? Você não sabe, mas nesses dois últimos anos, dobraram o número de crianças querendo aprender a patinar, crescimento até mesmo entre os adultos. Também crescimento na procurar sobre aulas de hockey, manuseio do stick e controle de puck. Ainda nós temos nossa escolinha para crianças, e a procura tem sido fantástica.


Com tradições sulistas e não tradicionais à NHL, como poderia os "caipiras" de música country, que inclusive toca na Bridgestone Arena ao sair um gol dos Preds, entender ou se quer gostar de hockey? Lançar bagres no gelo (que fique claro aos radicais que os animais já estão mortos, são apenas tradições). O momento "Smash Car" é um momento super criativo e divertido criado pelos fãs. É uma loucura em dia de jogos na Bridgestone Arena, é sem dúvida a franquia mais calorosa da NHL. Somos conhecidos por estar ao lado do time independente do momento, a confiança em nosso GM é enorme. Além de tudo que Poile fez para fazer que Nashville respirasse hockey, os Preds ainda fazem um trabalho comunitário de dar inveja. Fazendo doações para hospitais, campanhas sociais e principalmente um trabalho contra a violência doméstica e proteção às mulheres. Tudo isso traz ainda mais apaixonados pela franquia, pessoas querendo se aproximar do esporte, de fato é bom para a marca.


Todo esse trabalho abrangente de todas as formas dos Preds e nosso GM fez e faz com que sejamos unidos como um só Predador, um só corpo, unificando nossa química, nossa ligação torcida-franquia, cidade-hockey, cidadão-cidadania. Sim meus caros, tem hockey de verdade no Tennessee, tem apaixonados por hockey em Nashvile, e acima de tudo, tem Nashville pra ser reconhecida cpmo um potenciial grande centro da liga. Sim, nosso amado David Poile, traz inúmeros retorno à NHL e de fato, deveríamos ter mais reconhecimento.


As classificações de TV da temporada regular da equipe na Fox Sports Tennessee cresceram 160% ano a ano, de 0,8 para 2,1 no mercado. Além disso, as classificações combinadas da Stanley Cup Playoff TV aumentaram 62% na primeira rodada de 5,5 para 8,9% ao ano, enquanto a segunda rodada cresceu 34%, de 8 para 10,7. Os fluxos de temporada regular na Fox Sports GO subiram 238%.


A Fundação Nashville Predators distribuiu 149 subsídios, totalizando US $ 607.639,32 (a maior doação única na história da Fundação), superando a alta anterior de US $ 515.000 em quase US $ 100.000 para serviços comunitários e organizações de caridade baseadas em Nashville e no Tennessee. A franquia mantém relação ativa com a AMEND, organização que luta contra violência doméstica e à mulher. David Poile em suas palavras disse que quer ser parte juntamente com os Predators de fazer de Nashville a cidade mais segura para mulheres e meninas.


O leilão da 1ª rodada, jogo 1 noite, arrecadou US $ 20.000 para a Humboldt Broncos (através da Fundação NHL). As Rodadas Um e Dois arrecadaram US $ 12.493 por meio do Smash Car e Jet para o 365 Pediatric Cancer Fundation apresentado por Twice Daily. A Fundação também arrecadou quase US $ 160.000 em leilões de noite de jogo e vendas noturnas de jogos, além dos dois números acima, para as duas rodadas dos Playoffs da Stanley Cup de 2018.


O site nhl.com/Predators estabeleceu recordes de visualizações de páginas mensais e anuais, superando a alta mensal anterior em 142%. Terminamos no Top Five na NHL em visualizações de página, leituras de artigos e exibições de tela na campanha 2017-18. Nós quebramos todos os recordes anteriores de visualizações de páginas, visitas, visualizações de vídeos e downloads de aplicativos definidos nos últimos quatro anos de compromisso digital elevado com nossos fãs. Também foi em 2017 que a ESPN elegeu os Predators como sendo a franquia número um em esportes, incluindo valores, experiência com fâs e acesso online.


Depois de ver um recorde de 9 jogos na televisão nacional na última temporada, os Predators subiram o número mais uma vez e irão aparecer nas redes da NBC por 12 jogos em 2018/19. Vamos jogar um jogo na NBC e mais 11 na NBCSN, o maior número combinado de jogos exclusivos permitidos para uma equipe nesta temporada. Pela primeira vez na história da franquia tivemos um jogo de pré-temporada com transmissão FOX Sports Tennessee e mais cinco com transmissão livre em nhl.com/predators.


A Bridgestone Arena foi nomeada Arena do Ano pela International Entertainment Buyers Association. Além disso, a casa do Predators se tornoou em 2017 Local de Grande Capacidade do Ano da Academia de Música Country, a Venue. e a Arena Pollstar do ano de 2017 em todo o setor.


Outro ponto de destaque, e que vale ser ressaltado, é que em votação feita pelos jogadores de toda a National Hockey League, a Bridgestone Arena foi eleita a Arena mais difícil de se jogar contra.


Uma reviravolta nesta última offseason e a Arena recebeu novas placas de fita de LED de alta definição de 360 ​​graus e alta definição, ainda temos outra melhoria incrível com as instalações novas placas de vidros para borda do gelo nunca visto antes. O vidro terá uma flexibilidade incrível e poderá se mover até mais de 30 centímetros formando um efeito onda quando um jogador se chocar na borda ao dar ou receber um hit o que traz mais segurança aos jogadores.


A novidade foi anunciada nesta offseason pelo nosso Vice-Presidente de Operações Tim Friedenberger: "A segurança dos jogadores é a primeira coisa que consideramos quando analisamos os sistemas de painéis das placas. Entre as nossas operações de hockey e os departamentos de operações das instalações, trabalhamos juntos para projetar este novo sistema, totalmente personalizado para nós."

Tamanha façanha e inteligência do nosso David Poile, não atoa é o GM com mais vitórias na NHL e foi eleito melhor GM na temporada 2016/17. Em anos anteriores, de dificuldades e ainda assim ele com os pés no chão sempre convicto em seu trabalho. Me dou direito de falar que não há um Predador que não goste dele. Seu trabalho para com os fãs é de tirar o chapéu. Todo seu esforço para fazer da cidade de Nashville a cidade hockey que tem se tornado cada dia mais, mesmo longe dos grandes centros. Esperamos que ele possa estar conosco por muito tempo. Ele faz um trabalho nos bastidores com excelentes movimentos de contratos, sabendo inteligentemente administrar nosso cap.


David Poile será introduzido no Hockey Hall of Fame dos Estados Unidos. A celebração da indução será realizada em Nashville, no JW Marriott, na quarta-feira, 12 de dezembro, às 19h. CT. Os ingressos para o evento estarão à venda no dia 13 de agosto. "Quando você está fazendo o seu trabalho no hóquei, que é o que você ama, e eu não acho que você sempre pense em algum tipo de reconhecimento pelo que está fazendo, mas isso é incrível", disse Poile. "Ser incluído no Hall da Fama do Hockey dos EUA, é algo que eu nunca pensei, e é incrível estar incluído em todos os ícones do USA Hockey."


Poile amama nossos prospectos como ninguém. eu então, em particular nem se fala e os Preds Development foi uma loucura, crianças procurando autógrafos dos nossos garotos, que atenciosamente retribuiram aos fãs. Eeli Tolvanen, sem dúvida o mais assediado, Grant Mismash, Häman Atkell e o goleiro Tomáš Vomáčka. Temos um corpo de olheiros fantástico, basta ver nosso trabalho para os últimos 5 drafts, e os excepcionais olhos para defensores, além de She Weber, Ryan Ellis, Mattias Ekholm e Roman Josi são fruto de tal façanha, e o trabalho continua com Dante Fabbro, David Farrance, Filip Pyrochta, Vladislav Yeryomenko estão por vir. Também adquirimos bons olhos para goleiros, Pekka Rinne, Juuse Saros nosso futuro, e nomes como o já citado Vomáčka, Milan Klouček e Miroslav Svoboda mostram isso. Svoboda já está em Milwaukee aos 22 anos, e muitos especialistas começam a cogitar ele como o backup de Saros num futuro de 3/4 anos para se ter ideia de quão bom é o trabalho de nosso corpo de olheiros e também quanto Poile escolhe as pessoas certas para cada função.


E como não falar do maior movimento offseason que ele fez na nossa filial da AHL o Milwaukee Admirals. Uma nova forma de fazer hockey, um novo horizonte pelos lados de Wisconsin e uma transformação sensacional para fazer um celeiro para nossos prospectos se desenvolverem. São nada menos mais de 15 prospectos no roster dos Admirals para a próxima temporada. Você pode ler essa incrível transformação, perspectivas e um novo horizonte surgindo em Milwaukee (aqui). Baby Preds em boas mãos.


Todos hoje querem ir à Bridgestone Arena assistir aos Preds, hoje temos apenas 2.000 ingressos disponíveis por jogo para esta temporada, que se esgotam rapidamente. Todos querem ir não pelo hockey que apresentou principalmente nestas últimas temporadas, mas por amor ao time, por amor à franquia. Essa temporada quebramos recordes de público até atingir 17.594 espectadores na arena. Nós fazemos muito barulho e inúmeros jogadores adversários relatam não conseguir ouvirem seus treinadores durante os jogos. Sim, você não pode negar que o calor na Bridgestone Arena é incomparável. 139dbs, esse é recorde da Bridgestone Arena registrado na Final da Conferência Oeste de 2016/17 contra os Ducks quando Filip Forsberg empatou a partida no jogo 4 da série. Durante a temporada regular também havia muito barulho lá principalmente em grandes jogos. Além de ter sido a melhor campanha fora de casa, fomos a segunda melhor campanha em casa, de fato que o tempo passa e a Bridgestone Arena se torna mais quente, e um lugar infernal para os adversários. Meu sonho de um dia estar lá permanece vivo, pois acredito que não há lugar como a nossa casa, não há torcida como a nossa. Somos de fato a franquia mais calorosa da NHL.

Logo de comemoração aos 20 anos

Estamos numa crescente de 45º e todos vêem isso e não há dúvida que estamos próximo da glória, e David Poile disse: "Nós realmente temos algo acontecendo aqui. Somos uma equipe muito boa e somos muito próximos. Poderíamos ter vencido esse ano? Sim. Poderíamos ter vencido no ano passado? Sim. Só precisamos nos manter focados, e se realmente acreditamos em tudo as coisas que estamos dizendo aqui vão acontecer... Nossos jogadores estão confiantes, estão orgulhosos, estão comprometidos e querem vir Isso não acontecer com o tempo, o tempo todo "


Então vamos para a nossa viégisma e nos últimos anos estamos crescendo muito, embora a expectativa para última temporada tenha sido a de vencer a Stanley Cup e termos falhado, ainda estamos crescendo. Tudo que conquistamos nos últimos anos, Campeões da Conferência Oeste pela primeira vez na temporada 2016/17 e chegando à Stanley Cup pela primeira vez perdendo a série para o Pittsburgh Penguins em 6 jogos (4-2). Nesta temporada conquistamos o primeiro título da Divisão Central e Presidents Trophy e a Conferência Oeste (temporada regular) o que nos traz mais três banners à Bridgestone Arena. Quebramos inúmeros recordes da franquia durante a temporada, como conseguir 10 vitórias seguidas por exemplo. De certo, que o desfecho de tudo isso foi desastroso, porém consideramos tudo que fizemos e os movimentos feitos por David Poile ao longo dos anos. Não precisamos ir muito longe, voltando três, quatro anos atrás nossos centrais eram: Mike Ribeiro, Cody Hodgson, Paul Gaustad, Cody Bass; hoje temos: Ryan Johansen, Kyle Turris, Nick Bonino, Calle Jänkrok. Somos um time equilibradíssimo, precisamos manter tudo isso que tem dado certo e melhorar ainda mais para chegarmos à Stanley Cup, que se aproxima cada vez mais de SMASHVILLE! Volto à enfatizar, estamos numa crescente de 45°. #BelieveInSmashville e a Stanley Cup virá para a Cidade da música e do hockey!

67 visualizações
  • Twitter ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social

Siga-nos

Torne-se um fã

© 2018 Nashville Predators Brasil