A Série Contra os Jets, Parte 2 – Divertimento Canadense Em Meio Aos Playoffs




Empatando essa série sem merecer, e também foi sem merecer que vencemos esse jogo, embora tivéssemos o domínio da zona neutra nos 40 minutos finais, Pekka Rinne teve que se virar do jeito que dava. Com quase oito minutos jogados ele fez uma defesa sensacional com a ponta do stick. Sejamos sinceros, se este puck entra, o final deste jogo seria outro.

Seguimos sendo amassados na zona defensiva mas as vezes nos aventurávamos à zona ofensiva, o problema é que realmente não acontecia nada. Prova disso o gol do Ryan Hartman, quando o puck ficou perdido no meio de cinco jogadores ele consegue empurrar pro gol. Isso foi o primeiro período, um time apenas jogando e o outro defendendo, pegando o resto, quando sobrava algum puck para contra-atacar.


No começo eu disse que tivemos o domínio da zona neutra nos 40 minutos finais, mas nada adiantava pois seguíamos pecando na zona ofensiva. Mas no segundo período melhoramos ainda mais defensivamente, o que nos deu tal domínio.


Vamos combinar aqui galera, acho que foram os jogos mais fáceis da carreira de Connor Hallebuyck. Sinceramente não vejo nenhuma dificuldade para o grande goleiro dos Jets, o trabalho está sendo feito fácil, fácil, mesmo com as recuperações, um jogo melhor defensivamente e tomando conta da zona neutra, quando temos o puck não conseguimos trabalhar bem, isso manteve o que se viu do time em finalizações até aqui nesta série, tiro despretensiosos, sem perigo, na base do desespero.


Uma oportunidade de power play deu ao P.K Subban a chance de desabafar sobre as vaias que recebe nesses 2 jogos em Winnipeg, um belo one-timer da Blue line para ampliar para 2-0 o jogo.


No terceiro período o jogo seguiu como foi o segundo, as chances que os Jets tinha na partida eram negadas pelo Pekka Rinne, isso, quando eles conseguiam passar da zona neutra. Pois é pessoal, e por incrível que pareça, tudo isso não era suficiente, as melhores chances da partida seguiam sendo dos Jets. No final do time da casa tira o goleiro e ainda tem um power play para tentar o tudo ou nada, diminuíram com Patrik Laine restando 0:52 segundos por jogar. Esse gol foi outra falha de five hole (capacidade do goleiro em proteger o meio das pernas) do Pekka.


A série empatada chega até ser inacreditável, pois o hockey minúsculo que estamos jogando não condiz.


“Foi algo em que realmente nos concentramos, jogando sólido na defesa”, disse Rinne. “Foi um excelente trabalho de equipe Jogamos um jogo muito sólido ao longo dos 60 minutos e é obviamente uma grande vitória para nós”.


JOGO 5 – 05/05, Nashville JETS 6 – 2 PREDS


Retornamos à Nashville e se engana quem pensa que a nossa casa, como no ano passado, tem sido um pesadelo para os adversários. Os Avs vieram e deixaram muitos gols, agora com os Jets a coisa só piorou. 6-2 e inúmeras bobagens defensivas novamente. Fizemos até um bom primeiro período, mas seguimos sem dar trabalho para Hallebuyck, e os vinte minutos iniciais zerado.


Um dos poucos a se destacar neste jogo foi Yannick Weber que fez grande partida do início ao fim, ele deveria ter jogado mais nesta pós temporada. Parece que ele joga melhor nos playoffs, pecou muito na temporada regular porquê é fraco, mas como no ano passado, ele fez 4 grandes jogos, e aqui ele evita o gol certo dos Jets.


Bom, a partir daí começa nossas bobagens, Josi e Ellis brincam na zona defensiva, perdem o puck e Stastny sozinho, de novo, SOZINHO, fez o desvio em frente ao Rinne. Eu enfatizei “sozinho”, pois quantas vezes lemos que um jogador dos Jets esteve livre de marcação anotando um gol nesta série? Você vai ler bastante ainda aqui, assim como leu na primeira parte, e ao final, eu vou somar todos. Mas essa vai na conta de Josi e Ellis que foram extremamente displicentes na zona defensiva.