A Série Contra os Jets, Final: Decepção, mas ainda estamos de Pé!

JOGO 7 – 10/05, Nashville

JETS 5 – 1 PREDS



Eles fizeram uma temporada histórica

Estava tudo preparado em Nashville para o primeiro jogo 7 da Bridgestone Arena, mas foi outra noite de pesadelos. Começando com Pekka Rinne tendo 2 falhas, a primeira delas aceitando um puck simplesmente ridículo.

Um início muito lento por parte dos Preds e muita preocupação. Esse gol mais ainda, como se não bastasse, outra falha crucial do Rinne em um rebote claramente fácil, ele perdeu o movimento, se enganou e não teve reação. =(

Isso foi o suficiente para Laviolette colocar Juuse Saros imediatamente na partida. A cena do Pekka Rinne sentado sozinho ficará eternizada desse jogo. Momento muito triste para um ídolo eterno.


Se já não era bom, nosso time não resistiu emocionalmente assim como Pekka, desmoronaram e realmente não jogaram. Infelizmente ficamos assistindo aos Jets jogarem dentro do rink. Quando tínhamos a posse não fomos agressivos, pelo contrário, os jogadores pareciam estar em um jogo de pré temporada e não de pós temporada. Os jogadores se olhavam abatidos ainda mesmo no primeiro período.


P.K. Subban bastante criticado consegue um gol no power play diminuindo o jogo. Já no segundo período continuamos assistindo aos Jets e o gol foi inevitável com Scheifele. Eu realmente não entendo como nossa defesa deixou os jogadores se desvencilharem da marcação tão facilmente em toda a série.


Na base do desespero fomos para o terceiro período, pressionando sem nada fazer. Incrível como o time consegue ter tanto e não conseguir nada. O tempo na zona ofensiva era enorme, a quantidade de disparos também, mas nada que realmente fosse relevante. Fugimos à nossa característica durante todos os Playoffs, imaginávamos outra postura dentro do gelo considerando o momento, mas definitivamente não é um jogo 7 para os Preds.


Paul Stastny aumenta a tortura em Smashville no power play e Scheifele no empty net encerram esse horror no gelo.


Inexplicavelmente abandonamos o puck no jogo que valia toda a temporada. Eu juro quem não vi um jogador dos Predators no segundo período. Fala sério? Como pode em meio à um jogo 7 você ser tão apático? Não cabe nem comparação. Sim, Pekka Rinne falhou nos dois primeiros gols, mas Juuse Saros é sim um starter e dá conta do recado com segurança, também não foi culpado. A instabilidade nos Playoffs assombra Pekka, mas você quer culpar o goleiro? Ok, vá em frente. Você pode escolher o goleiro que quiser na história da NHL, não conseguiria evitar a eliminação com um time que a defesa simplesmente não existe, e uma apatia sem tamanho.


Sabemos que o Presidents Trophy é irrelevante quando se trata de playoffs, afinal, apenas 8 conseguiram conquistar a Stanley Cup dos 32 que venceram o Presidents Trophy, tendo que essa premiação surgiu na temporada 1985/86, mas para onde foi o hockey que nos levou a tal feito quando os Playoffs começaram? Nós simplesmente desaparecemos na pós temporada, minha nossa, essa defesa realmente não são os Preds! A pior defesa entre os times da segunda rodada com 3.23 gols sofridos por jogo e 47 gols sofridos em 13 jogos. Inacreditáveis 27 gols na série contra os Jets e como prometido, pelo menos em 10 deles os jogadores estavam livres na slot aproveitando um passe ou um rebote. Não houve trabalho defensivo na slot dos Preds desde a série contra os Avs. Nítida falta de comunicação, parecia até que não se conheciam.


Jamais Pekka Rinne será culpado, afinal ele não teve uma defesa à sua frente. Fico muito triste por ele se sentir dessa maneira.


Pekka Rinne: “Sinto-me muito responsável pela nossa temporada terminar neste momento. É difícil de engolir, de entender. Não posso apontar nada. Me senti muito bem e não tive lesões, totalmente saudável. Tive altos e baixo a nos playoffs. É uma sensação terrível quando você deixa seus companheiros, e foi isso que aconteceu hoje à noite. É difícil de engolir”


Laviolette: “Isso não é sobre Pekka. Não funcionou hoje. Ele não deveria falar essas coisas por conta própria, isso é sobre todos nós. Foi uma série em que encontramos uma boa equipe.”